Quais os achados no exame físico do bebê que sugerem Anomalia da Diferenciação Sexual (genitália ambígua)?

Os achados no exame físico do bebê que sugerem Anomalia da Diferenciação Sexual diferem conforme a aparência externa da genitália.
– Genitália com aparência feminina: adesões entre os pequenos lábios, massa inguinolabial (suspeita de massa ou hérnia) ou clitoromegalia.
– Genitália com aparência masculina: hipospádia perineal isolada; hipospádia associada à criptorquidia (unilateral ou bilateral); hipospádia associada a micropênis (pênis < 2,5 cm no recém nascido a termo) ou hipospadia associada a testículos não-palpáveis unilateral ou bilateralmente.

Na avaliação do bebê, na Atenção Primária à Saúde, o profissional deve avaliar, no primeiro exame físico, a região perineal e estar atento para esses achados. A diferenciação externa da genitália masculina está completa aproximadamente com 17 semanas de gestação. Em recém-nascidos a termo o tamanho do pênis considerado normal é maior que 2,5 cm e o diâmetro maior que 0,9 cm, o tamanho deve ser ajustado para idade gestacional. O tamanho do clitóris deve ser avaliado, sendo consideradas normais medidas entre 2 a 6 mm. O saco escrotal, grandes lábios e região inguinal devem ser cuidadosamente palpados para identificar a presença ou ausência de gônadas. A abertura da uretra deve ser visualizada e descrita sua posição. Em um paciente com genitália aparentemente feminina é importante definir se no períneo é possível identificar a presença dos três orifícios, ou seja, uretra, vagina e ânus, todos separados. Em casos que não são individualizados em separados, os pacientes também devem ser investigados. Genitália feminina virilizada ao exame físico verifica-se a presença de introito vaginal.